Novo hospital e sítio arqueológico geram empregos e dinamizam o turismo em Porto Calvo

As obras do Hospital Regional do Norte e o sítio arqueológico do Fortim Bass, localizados em Porto Calvo, receberam nesta terça-feira (4) a visita do governador em exercício, Luciano Barbosa, que destacou o papel estratégico dos equipamentos para a promoção do turismo histórico e a geração de empregos no município.

Com 68% dos serviços concluídos, inclusive toda a parte de infraestrutura, o Hospital Regional do Norte tem atualmente 116 funcionários trabalhando, sendo 90% deles oriundos da mão de obra local. A unidade vai oferecer 123 leitos numa área construída de 11.320 m², a partir de um investimento de R$ 30,7 milhões de recursos próprios do Estado.

“Eu visitei as obras do Hospital no início e agora vejo como elas estão avançadas. Nessa velocidade, a ideia é que a gente consiga terminá-las até o final do ano e colocar o hospital em funcionamento até meados do ano que vem. É uma obra importantíssima para o nosso estado porque ela trabalha um dos pilares que o governador Renan Filho sempre fala, que é a proximidade. Nesse princípio, temos feito uma rede de hospitais que vai de Delmiro Gouveia a União dos Palmares, Maceió e Porto Calvo”, afirmou Barbosa, lembrando do Hospital Metropolitano e do Hospital da Mulher, em Maceió, e dos hospitais regional do Sertão e da Mata, todos em construção, com investimentos da ordem de R$ 200 milhões.

“O governador Renan Filho sempre dialoga para que as empresas responsáveis pelas obras do Estado priorizem a contratação de mão de obra local. Isso é uma maneira da gente combater o desemprego”, observou o governador em exercício. No total, as obras do Governo de Alagoas nas áreas de Saúde e Infraestrutura empregam cerca de 10 mil alagoanos em todas as regiões do estado.

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Alexandre Ayres, a construção do Hospital Regional do Norte vai favorecer principalmente o turismo na região. “Aqui, uma média de 150 mil pessoas serão atendidas por mês. Na alta temporada do turismo, esse número vai quase que dobrar. O cidadão vai ter, tanto o cidadão alagoano quantos os turistas e visitantes, a segurança de ter perto dele um hospital com UTI, com centro cirúrgico de última geração, com centro de referência para exames de diagnóstico”, explicou Ayres, destacando também a realização de concursos públicos para a área

“Após 16 anos, o governador Renan Filho está corrigindo uma carência de servidores da Saúde. Nós iremos gerar, somente aqui no hospital de Porto Calvo, em torno de 700 empregos. É uma obra que traz saúde pública ao interior e, com ela, emprego e renda para essa região tão importante do nosso estado”, disse o secretário.

Segundo o prefeito David Pedrosa, os reflexos da construção do hospital já podem ser sentidos na economia da cidade. “Essa é a maior obra que essa região já viu. O hospital vai salvar vidas e melhorar o fluxo de turistas na região, porque temos muitos turistas e eles vão se sentir mais seguros em um local com um hospital regional próximo. Nossa expectativa é de que esse equipamento gere mais de mil empregos em empresas que estão vindo para o município, além dos 700 dentro do próprio hospital”, avaliou Pedrosa.

As visitas também contaram com as presenças do secretário de Estado da Comunicação, Enio Lins, e do superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Alagoas, Mário Aluízio.

Fortim Bass

Outra novidade na geração de empregos e dinamização do turismo em Porto Calvo será a abertura para visitação pública do sítio arqueológico do Fortim Bass, construção do século XVII que remonta ao período de ocupação holandesa no Litoral Norte alagoano, entre 1630 e 1654. A fortificação, tombada pelo Governo Federal como Patrimônio Cultural, foi descoberta em 2015, na Ilha do Guedes, às margens do Rio Manguaba, e era utilizada para defesa da área ocupada pelos holandeses contra as forças portuguesas e brasileiras.

Após restauração conduzida pelo Iphan, o Fortim Bass foi entregue oficialmente para a Prefeitura de Porto Calvo em maio deste ano. Na avaliação do governador em exercício, Luciano Barbosa, o sítio arqueológico surge como uma alternativa para a projeção internacional do Litoral Norte alagoano no cenário do turismo histórico e cultural.

“Com essa descoberta, a história do Estado de Alagoas fica ainda mais rica. Precisamos colocar isso no contexto do turismo. Como essa região já tem a vocação turística, é importante que a gente alie o turismo das paisagens de Alagoas à história que nós temos, envolvendo diversos povos que formaram a nação brasileira. Ações como essa fortalecem o povo alagoano e sua cultura, como também a nossa economia, dando a ela mais dinamismo”, destacou Luciano Barbosa.

O superintendente do Iphan em Alagoas, Mário Aluízio, destacou a importância histórica do Fortim Bass e anunciou os planos do instituto para a atração de turistas para a região. “Temos trabalhado com o apoio efetivo do Governo do Estado no resgate da nossa cultura e da nossa história. Neste momento, visamos fazer um projeto do Parque Histórico da Batalha de Porto Calvo, onde os holandeses expulsaram as tropas portuguesas para Salvador. É um projeto para ser administrada pela iniciativa privada por meio de concessão. E estamos fazendo uma licitação para construir o acesso por ponte, para pedestres, à Ilha do Guedes, e um restaurante, tudo baseado em um conceito de sustentabilidade, mas gerando riqueza para o Estado”, revelou o superintendente.

Ascom – 04/06/2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *